Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

Quinta-feira, 17.09.09

 

 

Houve um tempo

em que a mediocridade da existência

não me podia tocar

 

Ainda não tinha

essa consciência nítida

da perda da ligação ao essencial

 

Pensamos que a recuperamos

através dos que nos rodeiam

mas hoje vejo que isso não é possível

temos de nos distanciar

 

Por milésimos de segundo

sinto-me ligada ao essencial

a sensação única de estar viva

todas as células afinadas e sensíveis

 

Mas já não é tão frequente como antes

antes da mediocridade da existência

somada, arrastada em anos, séculos,

antes da consciência da perda do essencial

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 01:11

Do Tempo das Descobertas: A fuga de um lisboeta

Terça-feira, 15.09.09

 

A minha primeira descoberta para este "Do Tempo das Descobertas" vem do Ouriquense:

 

 

 

Terça-feira, 15 de Setembro, 2009

 

 

 

 

A racionalização era o meu ajustamento preferido e também o mais detestado. Se praticado por mim, tranquilizava-me; se praticado por outros em relação a mim, desesperava-me. Com os anos, aprendi que nunca se deve partilhar a nossa racionalização com a pessoa que a motivou. Mas aprendi também que ser exposto à racionalização da pessoa que a pratica em relação a nós é o caminho mais rápido para a libertação. Quando se começa a usar esta técnica, vai-se pois do desespero à melancolia e tudo acontece com a tranquilidade das rotinas. O único risco é abusar do expediente. Foi o que me aconteceu.  Nos últimos tempos, a racionalização que ouvia do outro despertava em mim algo novo. Não voltara a ser desespero, nem era já melancolia, antes um sentimento mais conformado do que o primeiro e, na aparência, mais simples do que o segundo. Seria apenas a banal tristeza, se não houvesse uma consciência tão aguda de que era preciso recorrer a um qualquer outro ajustamento, o que me levava a pensar na sublimação, projecção, regressão, negação e sublimação como opções de um cardápio. Tal lucidez não apagava a tristeza, nem sequer lhe alterava a intensidade, mas mudava-lhe a natureza. Ao fazer radicar a tristeza na própria lucidez, a tristeza deixava de ter uma causa externa. Deve haver um nome para este ajustamento. Indexação egoísta? Usurpação defensiva? É algo que desumaniza e que não recomendo a ninguém. Enfim, tudo é relativo. Quando se fala em desumanidade, ainda nos devemos lembrar primeiro das catanadas no Ruanda. "

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 11:20








comentários recentes



links

coisas à mão de semear

coisas prioritárias

coisas mesmo essenciais

outras coisas essenciais

coisas em viagem


subscrever feeds